O que aprendi na estrada

21/11/2015

A vida é mesmo cheia de surpresas. Minha história particular mudou radicalmente nos últimos tempos. Ingressei em uma expedição terrestre de #100dias com o objetivo de registrar as belezas naturais do Pantanal, de Bonito e da Serra da Bodoquena no estado do Mato Grosso do Sul. Como se não bastasse estar em uma das regiões mais ricas em biodiversidade do Brasil, com cenários paradisíacos e águas cristalinas, ainda sou assistente do documentarista de natureza, Fernando Lara. Provavelmente o maior expedicionário do País.

 

Não é pra qualquer um.

 

O sacrifício de ficar longe de casa, dos amigos e dos momentos familiares é muito pequeno frente aos desafios que vamos encarar. Nesses primeiros dias da Expedição, posso dizer que o Brasil é mesmo um lugar surpreendente e de belezas raras.  O aprendizado na estrada é constante e apesar dos obstáculos, o sabor da conquista é viciante.

Lonando equipamentos em cima do nosso Lobo Guará - Toyota Bandeirante. Foto: Fernando Lara 

 

Também está conosco nessa jornada, a paulista Bruna Rafaela, que eu conheci na estrada – outra aluna do Fernando Lara nos Cursos de Documentação e Comportamento em Selva promovidos pela Rotas Verdes Brasil. Bruna trabalha com Cinema e eu divido com ela, além das atividades diárias, um pouco da minha ansiedade, dos medos e as alegrias de ver cada benção da natureza: seja no nascer ou pôr do sol, na performance de uma ave ou no desbravamento de um novo caminho. Todo o esforço descomunal é recompensado. A natureza nos tem dado muitos presentes.

No período de greve dos caminhoneiros, fizemos reserva de combustível. Foto: Fernando Lara

 

Mas a mesma alegria de avistar araras e tucanos ganhando os céus é minguada pela tristeza de ver espécies espatifadas no asfalto, apodrecendo nas margens das rodovias. Apesar de conhecer essa realidade, fiquei surpresa, pois só enxerguei a gravidade da situação depois de ver a oitava ou décima vida morta. A necessidade humana de ir e vir arranca dos animais o mesmo direito. Ver espécies perdendo suas vidas para rodas, asfalto e a desatenção dos motoristas trazem a luz a importância do nosso trabalho. A mesma estrada que ceifa diariamente vidas inocentes e fragilizadas, também abre portas para que possamos mostrá-los ao mundo.

 

 Jaguatirica vítima de atropelamento. Foto: Arquivo/Fernando Lara

 

Preservar as áreas onde esses animais ainda são livres é a nossa obrigação. Já tiramos deles mais do que deveríamos e mais do que nós mesmos suportaríamos. A natureza pede socorro e a vida pede passagem.

 

Apoio

 

Este post tem o apoio de: Botas Snake, Diário do Aço, TV Cultura Vale do Aço e agência de viagens O Giro.

 

Quem sou 

 

Erika Campos é publicitária, fotógrafa e apaixonada do trekking. Ela faz parte da primeira equipe feminina de assistentes do documentarista de natureza, Fernando Lara, em #100dias de Selva pelo Mato Grosso do Sul.

 

Please reload

Chegou o projeto V-ONÇA: ecoturismo de observação focado em onças-pintadas no Pantanal

June 6, 2017

1/8
Please reload

Please reload

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© Todos os direitos reservados

cadastur-logo.png